Rio de Janeiro
Av. Armando Lombardi, 597 / 2º andar
Fone: (21) 2491-9683 / (21) 3154-4000
Emergência: 021-96494157

Tipos de tratamento de um aneurismas cerebrais

O paciente deve estar em um ambiente onde exista a possibilidade de escolher qual o melhor tratamento, assim como de cuidados clínicos específicos principalmente no que se refere à aneurismas rotos. O momento do tratamento de um aneurisma cerebral depende basicamente na forma de apresentação clínica. Quando um aneurisma é encontrado de forma incidental ( não houve ruptura ) a conduta será guiada principalmente pelo tamanho do mesmo. A ruptura de um aneurisma cerebral é uma emergência médica e aqueles pacientes que chegam com vida à um hospital devem, se possível, serem tratados de forma que rápida para que não ocorra um novo sangramento que pode ser fatal na maioria dos casos. É importante notar, porém, que nem todos os aneurismas são tratados no momento do diagnóstico ou são passíveis de ambas as formas de tratamento. Os pacientes precisam consultar um especialista neurovascular para determinar qual o tipo de tratamento mais adequado.

Atualmente temos cinco opções para o tratamento de aneurisma cerebral, sendo: Cirurgia Convencional, Tratamento conservador, Oclusão da artéria portadora, Desvio de Fluxo e a Embolização Cerebral.

Conservador

Decisão absoluta - Indivíduos assintomáticos, baixa expectativa de vida, aneurisma menores que 03mm.

Decisão relativa - Idade avançada, tamanho, localização e atividade.

Oclusão da artéria portadora

Objetivo:

  • Induzir trombose secundária do aneurisma
  • Eliminar ou reduzir o efeito de massa
  • Prevenir eventual hemorragia

Como é feito?

É realizado o teste de oclusão carotídea ou vertebral onde é avaliada a parte neurológica (sensitivo-motor + consciência) e vascular (circulação colateral eficiente).

tratamento-aneurisma-cerebral tratamento-aneurisma-cerebral

Cirurgia convencional – clipagem de aneurisma

A cirurgia convencional é realizada há mais de 40 anos e foi a única alternativa de tratamento até o início da década de 90. Consiste na abertura do crânio (craniotomia) através da qual são introduzidos instrumentos cirúrgicos. A seguir é realizado, de forma delicada, o afastamento do tecido cerebral e exposto o aneurisma. O próximo passo é a clipagem do colo do aneurisma, impedindo que o fluxo sanguíneo cause o rompimento e uma hemorragia. Em aneurismas rotos (que romperam) a cirurgia convencional é realizada até o 3º dia após o sangramento e depois do 10º dia evitando o período intermediário (4º - 10º dia) em que o vasoespasmo e o edema cerebral está instalado. Após a clipagem do aneurisma, o osso é fixado em seu lugar original, e a ferida é fechada.

Desvio de Fluxo

A última tendência mundial é o uso de inversor que são capazes de desviar o fluxo de sangue e incentivar a criação de um novo muro e até mesmo reforçar a artéria doente corrigindo o distúrbio hemodinâmico. O desviador de fluxo é um stent implantado na artéria cerebral capaz de reduzir o fluxo sanguíneo no interior do, a ponto de realizar trombose gradual, e remodelação do vaso, mantendo a saída nos ramos laterais e perfurantes.

O uso desse dispositivo de desvio de fluxo no tratamento de aneurismas intracranianos é altamente eficaz no contexto do tratamento de aneurismas complexos. No entanto, a indicação desta técnica deve ser feita com precisão. As indicações atuais para o uso de desviadores de fluxo são: aneurismas complexos, incluindo grandes e gigantes; aneurismas colo largo, aneurisma menores que 3 mm roto que são intratáveis por outra técnica Endovascular

Vários estudos, incluindo ensaios clínicos comprovam o resultado da técnica.

Aneurisma da Arteria Carotida Interna Aneurisma da Arteria Carotida Interna Pos Embolização com desvio de fluxo

Embolização

Como funciona a técnica que dispensa cirurgia?

Com micro molas

Embolização Como funciona a técnica que dispensa cirurgia

Terapia Endovascular é um procedimento minimamente invasivo que acessa a área de tratamento de dentro do vaso sanguíneo . O tratamento endovascular por embolização é realizado há mais de 20 anos. No caso de aneurismas, este tratamento é chamado embolização com molas, ou "enrolando". O objetivo do tratamento endovascular é o isolamento do aneurisma da circulação sanguínea sem a necessidade de abertura do crânio. O tratamento endovascular é realizado por intermédio de cateteres que são introduzidos remotamente (à distância) no sistema vascular. Para isto um cateter é inserido na artéria femoral através de uma bainha, sendo guiado por um sistema de RX usando a tecnologia em tempo real permitindo a visualização do aneurisma a ser tratado. Após o cateter estar posicionado dentro do saco aneurismático são introduzidos espirais de platina (micro-molas) de diversas formas e que se adaptam e preenchem o interior do aneurisma causando a trombose ( coagulação) do mesmo.

Este procedimento é chamado de embolização e sua eficácia e superioridade sobre a cirurgia em termos de sobrevida livre de incapacidade, naqueles aneurismas em que ambos tipos de tratamento é possível, foi demonstrado no estudo ISAT. Atualmente ,devido a este estudo ( ISAT ) em torno de 70 a 90% dos aneurismas na Europa são tratados por via Endovascular sem a necessidade de abertura do crânio. A embolização pode ser realizada sob anestesia geral, sedação leve e até mesmo anestesia local (mais usada pela equipe Interneuro).

Nos pacientes que se apresentam com HSA ( hemorragia subaracnóidea ) a incidência de vasoespasmo e sua conseqüente isquemia e déficit neurológico também é menor no tratamento Endovascular quando comparado ao tratamento convencional por craniotomia e clipagem segundo estudos científicos.

Com Onyx

O Onyx é um líquido para embolização que quando injetado através de um cateter se solidifica em contato com o sangue formando uma massa esponjosa que molda-se a estrutura, permitindo a oclusão do aneurisma ou do nidus (MAV), e assim impedindo a entrada de sangue.

Com é feito

1. Dois microcateteres entram por uma artéria femoral e são conduzidos pelo sistema vascular até atingir o aneurisma do cérebro;

2. Um deles carrega um balão que é inflado na entrada do ponto dilatado. Pelo segundo cateter, os médicos injetam um polímero líquido;

3. O material preenche toda a bolha anormal e solidifica-se em três minutos. O produto isola o aneurisma e repara o vaso danificado.

onyx onyx onyx
Icone Imail

Telefones para contato
(21) 2491.9683 / (21) 3154.4000